toggle menu

Eduardo Taddeo - Morreria Feliz

Morro feliz se deixar um país onde deputado
Não peça 10 ladrões mortos pra cada gambé assassinado
Só no esgoto da América Latina
Se exige mais matança na assembleia legislativa
Saddam Hussein das profundezas bate palmas
Com batalhão que diz que arranca a cabeça e deixa pendurada
Com varias credenciados pra ser chefão apenado
Que fala por vídeo-conferencia pra não ser resgatado
Mesmo se eu vivesse, sei que a chacina do condenado
Ainda vai ter julgamento anulado
Haverá sentença de 1000 anos pra televisão
E quando a mídia esquecer, absolvição
Na minha partida não teremos avanços sociais
Simbolizaremos trabalhos infantil, bunda, funerais
Ainda seremos clones do refugiados de Eritreia
Afogados no mar, fugindo da miséria
Descansaria e que faz uns catar seus AK no quartel
Se não tentasse os plagiar La casa de papel
Se prefeito cuzão não vendesse falsos valores
Censurando na bienal HQ dos vingadores
É pena, mas nunca vou ver em vida
Promotor que em vez de escória de condenado, busca justiça
Um judiciário, que dê universidade, não beck no banco
Sem 90% de juízes brancos
Tô na profissão perigo dando a vida pela causa
Sem medo da elite e seus cães de automática
Se tiver uma vitória contra os genocidas do país
Pode pôr na lápide que o Eduardo morreu feliz

Tô na profissão perigo dando a vida pela causa
Sem medo da elite e seus cães de automática
Se tiver uma vitória contra os genocidas do país
Pode pôr na lápide que o Eduardo morreu feliz

Tá louco, Eduardo? Botando querosene na fogueira
Se o rap não emplaca na TV brasileira
A cara é fingir que mulher não distribui panfleto
Da promoção nessa noite no puteiro
Omitir que as palavras por nós mais escutadas
É: "Solta o refém, se entrega e joga a arma"
Se depender de mim, promovo o encontro do governador
Com o traficante que ele arrastou
Só de imaginar o oculto safado tranca
Faz escândalo no hospital pra não ir pra ambulância
Que no futuro a gente não vá no pseudojornalismo
Atras de filho enquadrado, desaparecido
Que militante do Face no conforto de casa
Não formem patrulha pra deslegitimar nossas causas
Ler as cartas das crianças da maré pra tomar um choque
Enquanto helicóptero atira e pessoas morrem
Veja a bancada rural da bíblia e bala querendo paz
Com algemado jogado na lage com as mãos pra tras
Se o garimpo tivesse no seu sangue presidente bosta
Não dizimaria no gueto pedras preciosas
O remorso que eu levaria pro funeral
É não ter atirado no Rolls-Royce presidencial
Evitaria além da cópia do Hitler no penteado
Também a implantação da ideologia da Gestapo
Tô na profissão perigo dando a vida pela causa
Sem medo da elite e seus cães de automática
Se tiver uma vitória contra os genocidas do país
Pode pôr na lápide que o Eduardo morreu feliz

Tô na profissão perigo dando a vida pela causa
Sem medo da elite e seus cães de automática
Se tiver uma vitória contra os genocidas do país
Pode pôr na lápide que o Eduardo morreu feliz

Que a nova geração não mosque no incêndio do coletivo
Mande os passageiros descer, pra ficarem vivos
Não tem lógica afrontar a secretaria de segurança
Com bolha de queimadura em mulher ou criança
Eu vou partir sem o povo ver que é tortura
O vídeo da policia fazendo o menor pedir desculpa
Com os olhos inchados, a boca estourada
To gravando pra dizer que amo os heróis de farda
Quando eu voltar, vou pôr crianças nas ruas de terra
Seguirão se desenvolvendo como soldados em guerra
Deitando no chão ao ouvir os ecos da igrã
Correndo mais que pudesse, avistar ROCAM
Imprecisa ainda não verão que quanto mais aprisionam pobres
Mais aproximam suas juntas do serrote
Quero deixar o mundo sem anti-cristo, parlamento
Sem viciados, que por uma pedra, queimam sua casa com você dentro
Sem médico que não é de Deus, mas abusador
Sem paciente molestada por médico estuprador
O que conforta é q os rappers são tão fodas
Que professor usa as letras conscientes na escola
Essa nem Paulo Freire podia prever
Marginalizado virando trabalho escolar, TCC
Se no meu último adeus não tiver caixões brancos e infantis
Juro por cada guerrilheiro, que morro feliz
Tô na profissão perigo dando a vida pela causa
Sem medo da elite e seus cães de automática
Se tiver uma vitória contra os genocidas do país
Pode pôr na lápide que o Eduardo morreu feliz

Tô na profissão perigo dando a vida pela causa
Sem medo da elite e seus cães de automática
Se tiver uma vitória contra os genocidas do país
Pode pôr na lápide que o Eduardo morreu feliz

Comments

  • ×