toggle menu

Eduardo Taddeo - Quero a Igualdade

[Verso 1]
Queria ver um Brasil igualitário
Onde você boy fosse reduzido a número funerário
Onde na necropsia serrassem sua caixa craniana
Porque essa etnia é alvo da policia desumana
Depois de ser expulso do mercado de trabalho
Buscando batismo na sigla que domina estado
Assassino social você devia ser traumatizado
Pelo relato extrajudicial do cu da tático
Aí, tio, seu filho não pareceu bandidão
Ajoelhado, clamando pela vida no chão
Eu sonho com você acuado num plenário
Defendido pelo defensor que nem conhece seu caso
Ou buscando liberdade de forma cinematográfica
Metralhando guarita, explodindo muralha
Oro pra Deus pra te ver alvejado na emergência
Tendo como causa mortes a negligência
Sua bandeira é vermelha não pelo partido
Mas pelo gráfico alarmante dos seus homicídios
Igual você quero laqueadura em massa mais nas ricas
Pra não nascer os novos cânceres na política
Assim acaba a vítima no DP nos descrevendo
Ou jogada amarrada do versa em movimento
Não é psicose te querer no ácido dissolvendo
Só quero te ver provando do próprio veneno
[Refrão]
Vem viver um minuto na sociedade igualitária
Sente o gosto da fome sem matrícula carcerária
Ser alvo do preconceito do estado contra você
Seu caso arquivado no DHPP
Vem viver um minuto na sociedade igualitária
Sente o gosto da fome sem matrícula carcerária
Ser alvo do preconceito do estado contra você
Seu caso arquivado no DHPP

[Verso 2]
Se fosse seu filho na praça de alimentação
Sendo expulso porque alguém quis pagar a refeição
Garanto que não ia tá vendo aula de lunático
Que diz como um menor deve ser trucidado
Nem escrevendo merda na internet todo dia
"Excluído faz filho pra receber bolsa família"
Não ia tá plantando falsa informação
Mentindo que todo preso recebe auxílio reclusão
Porque não diz que é você que põe arma no teto do Fox
Afugentando polícia pra caixa virar destroços
Bem antes de le vigia e punidifuco
Sabia a lógica das suas prisões opressor
Não existe nenhum caráter humanista
Apenas ideia vingativa e punitivista
Por isso seu soldado é exterminado
Segurando fuzil que não dispara, velho, enferrujado
Liga pro Copom gritando até ficar rouco
"Me ajuda, tô ferido, socorro, reforço"
Seria um prazer te ver iludido fazendo plano
Pensando em vencer assaltando o apê do coreano
O algoz do furto chicoteado no mercado
Ou com bolsa de colostomia implorando um trocado
Não sou diabólico como um Serial Killer herdeiro
Apenas queria o feitiço virando contra o feiticeiro
[Refrão]
Vem viver um minuto na sociedade igualitária
Sente o gosto da fome sem matrícula carcerária
Ser alvo do preconceito do estado contra você
Seu caso arquivado no DHPP
Vem viver um minuto na sociedade igualitária
Sente o gosto da fome sem matrícula carcerária
Ser alvo do preconceito do estado contra você
Seu caso arquivado no DHPP

[Verso 3]
Nunca vi favelado ensinando o preconceito
Falando "filho discrimine o menino negro"
Pobre não faz festa e vai fantasiado
Com personagem caracterizado como escravo
Nossos valores são família, respeito, viver
Não ser genocida pilotando um R8 GT
Sumemo não comemoro mac erguido na quebrada
Festejo só quando faculdade for inaugurada
Quero ser o catalizador da mudança
Onde não tenha fugitivo sequestrado ambulância
Onde mulher não vá pra penitenciaria deprimente
Usar miolo de pão como absorvente
Chega de redações com melhores pontuações
Porque o Sisu adora ódio e discriminações
Boy tô cagando pra sua lei anti-terrorismo
Foda-se você e seu regime militar clandestino
Onde a meta do governo não é armar você
Mas atrair fabricantes da morte como o cara kcz
Sei que ainda vão dizer que Eduardo agressivo
Por desejar a nossa vida pro inimigo
Não tenho dó porque sei que o foco nas mansões
É por no mesmo pavilhão várias facções
Pra depois dar acesso de uma pra outra
E curtir o sangue jorrando pelo nariz, olho e boca
[Refrão]
Vem viver um minuto na sociedade igualitária
Sente o gosto da fome sem matrícula carcerária
Ser alvo do preconceito do estado contra você
Seu caso arquivado no DHPP
Vem viver um minuto na sociedade igualitária
Sente o gosto da fome sem matrícula carcerária
Ser alvo do preconceito do estado contra você
Seu caso arquivado no DHPP

Comments

  • ×